Pedaços de Mim
Precisava juntar meus pedaços, escolhi as palavras...
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos

Imagem relacionada


Fiques em mim...
 
Nada te poderei dar, ó meu amor,
senão essa triste mágoa de me veres
eternamente exausta pela dor...
Ah! Descobri que não tenho poderes...
 
E assim vou te envolvendo no amargor...
Digo-lhe: nós mulheres somos seres
tão sensíveis! Talvez alguma flor
que logo murcha nos entardeceres...
 
Apesar disso amor, quero pedir
que fiques em mim. Fiques como a crença
dos mais desesperados no milagre;
 
para q’eu possa ter o que sorrir;
alguma coisa como a luz imensa...
Meu doce amor, não deixe q’eu naufrague.

 
 



Imagem relacionada


Como os pombos...
 
É assim, ao entardecer, que vem os pombos,
ruflando as asas antes de pousar...
Vai-se o dia e, serenos são os assombros
quando a brisa da tarde vem soprar.
 
E tudo se arrepia: eu, folhas, pombos...
Os sonhos, um por um, sinto-os voar...
As asas soltas — fogem— pelos rombos.
Como os pombos não querem se aquietar.
 
Essa imagem dos pombos nos beirais,
a solidão, a memória — vem chegando...
Tudo se fecha tal traje noturno...
 
Vejo a cena dos sonhos, dos pombais...
Mas eu sei que estou apenas me enganando...
Pois meu amor — o real— é tão soturno!...

 
 



Imagem relacionada


Nem pardais...
 
Ah! Meu amor, aqui os muros são bem altos!
Pouco vejo o céu e quando é lua cheia...
Nem pardais — imagine — vejo aos saltos
engraçados bicando a pobre ceia...
 
Eu gostava de meus pardais tão incautos.
Na varanda, no muro... Ah! Amor creia:
eram sobras de pão manjares lautos
e lauta a poesia na mi’a veia.
 
Eu aloucada, escrevia... Ah! Escrevia...
A mi’a realidade era tão dura!
Mas escrevia... Versos tolos, parcos...
 
Então um dia eu parti... Foi-se a poesia...
Logo a poesia, mi’a ilusão da cura...
E ainda não pude amor, juntar meus cacos...



 




Imagem relacionada


Para nos guardar...
 
Chega um tempo q’os vidros também quebram
e os espinhos transformam-se em cipoais.
Quanto a dor? “Sobe e desce”,  nos disseram...
Misturam-se aos talheres nossos ais.
 
Até as invejas morrem. Ou se esgotam...
E o vento leva coisas ou nos trás.
Dos rancores, esquecem-se as mãos—buscam
elas ainda o amor de formas tão iguais!
 
Por isso estamos juntos nos espinhos.
Juntos na dor, nos cacos , meu amor— vivos;
Juntos no vento a varrer nossos caminhos...
 
E embora tudo acabe, é transitivo...
Então para que nos servem os escaninhos?
Para nos guardar em versos — exclusivos...


 




Imagem relacionada


Os versos...
 
É noite — no céu, estrelas — em ti penso...
Mi’a solidão angustia — perco o senso—
e faço versos tolos. Sopra o vento
e me arrepio — a rima é meu lamento...
 
Tão longe estás! Os versos são um consenso
entre a métrica e o sonho, mas propenso
a falar-te de todo sentimento:
dessa saudade, o amor... Eles são alento...
 
O alento que na folha vai ficando
em rebuscadas juras e promessas
— os versos que o sereno vai molhando.
 
Partem então as estrelas— tão depressa!
Só fica a Estrela d’alva ali brilhando;
eu e os versos que no alvor enfim ingressa...


 




Imagem relacionada


Que fale o sonho...
 
“Ai! Dói muito calar o róseo sonho”,
já dizia o poeta Castro Alves...
Se ele estiver errado, tu ressalves,
mas, não vivê-lo, ó amor, é tão tristonho!
 
A convenção de tudo já nos priva;
assim nos resta apenas o anelar
fremente; o devaneio de sonhar
que nos mantém o amor e a chama viva.
 
Ah! Bem sabes, dói muito essa ironia,
quando nossa alma adeja em fantasia
e o fado não nos dá alguma esperança...
 
Então que fale o sonho— essa ventura
gratuita dos que vivem a loucura
de um amor proibido sem cobrança...

 

 

E assim vou seguindo com minha série de sonetos. adoráveis sonetos.
Imagens giff: By@google.

Devo ficar mais de uma semana sem vir aqui. Vou ficar com meu pai na fazenda, pois meu irmão vai fazer uma cirurgia e meu pai, já viu não sai daquela roça. Mas adoro ficar lá.  abraços caros amigos.
 



Sonia de Fátima Machado Silva
Enviado por Sonia de Fátima Machado Silva em 06/12/2019
Alterado em 06/12/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários