Pedaços de Mim
Precisava juntar meus pedaços, escolhi as palavras...
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos



Um passado de volta
 
   “ Sol descambando...
  Na encruzilhada a fileira de carros esperavam os noivos retardatários. Eles se casaram na cidade e depois os convidados seguiram em carreata 54 km até a fazenda onde seria a festa da cerimônia...  Quase chegando à fazenda os noivos precisavam tomar a dianteira.”
   É apenas o que me lembro daquele dia de casamento de uma vizinha na fazenda, pois a imagem de uma menina com seus 13 ou 14 anos ofuscou todas as outras minhas lembranças, e a razão talvez, se resida no fato de ela, pela primeira vez na vida causar impacto, desfilando sobre o cascalho sua calça tipo slack roxa e a blusa bege com margaridas grandes cor de laranja e sandálias plataforma. Originalíssima...
   Sim, ali estava a passarela: o cascalho da estrada refletindo a luz cor de âmbar do entardecer; as serras azuladas ao longe ganhando aos poucos as sombras da tarde e o cerrado ainda intacto margeando a passarela.
Por isso pergunto : como esquecer essa cena? Digamos tão roxa, tão laranja? 
   Algum tempo depois rimos e criticamos muito — eu minhas três irmãs — de meu look de cor extravagante.
   Hoje, depois de quarenta anos mais ou menos, percebo que sempre fui meio excêntrica e, talvez, original. Senti saudade daquela menina... Sim, senti muita saudade e, me descobri revivendo-a  hoje nesse domingo ainda de primavera. Quis reverenciá-la  porque sei que ela merece essa reverência. E para isso criei um look parecido.
   Na verdade, a moda tem sido tão extravagante nos últimos tempos que compreendi aquela menina que apenas estava adiante de seu tempo. Se antes senti vergonha de ter misturado roxo e laranja, hoje, sem vergonha nenhuma vesti minha calça Capri roxa e minha blusa corselete bege com margaridas alaranjadas enormes.
   Apenas uma diferença: a passarela, que nada mais é que o mundo de concreto em que vivo e que às vezes pede um pouco de cor mais exuberante. 
 


IMAGEM: eu hoje
 


 
Sonia de Fátima Machado Silva
Enviado por Sonia de Fátima Machado Silva em 08/12/2019
Alterado em 08/12/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários